O fumo mata mais pessoas do que o fogo

A inalação de fumo tóxico causa mais mortes relacionadas com o fogo do que os próprios incêndios.

Todos os materiais combustíveis produzem uma certa quantidade de fumo tóxico quando queimam.  O nível de fumo tóxico que é emitido depende do material, da quantidade de oxigénio disponível e durante quanto tempo queima.  Em concentrações suficientemente elevadas durante tempo suficiente, o fumo tóxico cria condições perigosas para a saúde das pessoas expostas ao mesmo.  

Na fase inicial de um incêndio antes da propagação, o fumo produzido é proveniente dos primeiros itens inflamados, frequentemente móveis e outro recheio da divisão.  À medida que o incêndio vai crescendo e atinge o ponto de propagação, o volume e a toxicidade do fumo que produz aumenta bastante.  

Se não for extinto ou esgotar-se por si mesmo, o fogo continua a consumir o recheio das divisões, bem como os materiais de construção combustíveis (incluindo no exterior do edifício se o fogo irromper pelas janelas), o que alimenta o fogo ainda mais e expande a quantidade de fumo tóxico.  A propagação do fogo e do fumo pelo edifício e pela fachada acima vai ameaçar os ocupantes em zonas do edifício afastadas do ponto inicial do incêndio, dificultando a fuga.

Com os incêndios a desenvolverem-se 5-10 vezes mais rapidamente hoje em dia do que na década de 19501, a segurança dos ocupantes do edifício e das primeiras equipas de resposta depende maioritariamente do desempenho do edifício durante o incêndio, incluindo a libertação de fumos tóxicos espessos, que mata mais pessoas do que o próprio fogo.  Na verdade, as estatísticas mostram que o fumo provoca mais de metade das vítimas de incêndios em edifícios no Reino Unido2.

 

1: UL, Análise da Mudança da Dinâmica de Incêndios Residenciais e as suas Implicações nos Tempos de Resposta Operacionais de Bombeiros
2: Departamento para comunidades locais e governo, Estatísticas de Incêndios na Grã-Bretanha 2013 – 2015, janeiro de 2015