A megacidade sustentável

Com um bom design e materiais, o urbanismo rápido pode ser sustentável

RockWorld imagery, products with life, building, city, urban

Todas as semanas, 1,5 milhões de pessoas mudam-se para vilas e cidades, criando enormes exigências sobre os recursos e ambientes locais. No entanto, com as técnicas e tecnologias certas, o urbanismo e a sustentabilidade podem andar de mãos dadas.

As megacidades do futuro

Para a população mundial em crescimento, o futuro é urbano. Estima-se que até 2030 haverão 41 "megacidades" com mais de 10 milhões de habitantes1. Atualmente, existem apenas 182. Os habitantes destas cidades consumirão 81 porcento dos recursos mundiais3. Vinte anos mais tarde, até 2050, estas populações urbanas precisarão de mais 50 porcento de comida e de mais 17 porcento de água relativamente aos valores atuais4. Também querem viver com conforto. Hoje em dia, existem ainda 1,2 mil milhões de pessoas sem eletricidade: os residentes urbanos do futuro vão querer habitação moderna e energia, com um ambiente interior agradável.

Esta mudança para as cidades tem um custo. Até 2050, as projeções atuais sugerem que o crescimento populacional e o urbanismo vão duplicar ou triplicar o consumo de energia global para o setor da construção, com um impacto semelhante sobre as emissões associadas5. Quando as metas ambientais globais exigem grandes reduções no consumo de energia e de emissões de CO2, é difícil ver como este mundo urbanizado pode ser sustentável.

Megacidades
0

megacidades com mais de 10 milhões de habitantes até 2030

Pessoas
0

de pessoas muda-se para ambientes urbanos todas as semanas

Alimentação e água
0

mais comida e 17% mais água necessários para as populações urbanas em 2050

Enfrentar os desafios ambientais

No entanto, as cidades apresentam muitas oportunidades para enfrentar os desafios ambientais. Os apartamentos e os escritórios que são renovados e construídos com elevados níveis de isolamento precisam de muito menos energia para aquecimento e refrigeração do que as estruturas tradicionais e, por isso, já é possível começar a reduzir a pegada ambiental de uma cidade. Para que as cidades utilizem o espaço de forma eficiente, é frequentemente necessário que os edifícios sejam mais altos e mais aproximados, o que pode aumentar o risco de incêndio. A utilização de materiais de construção incombustíveis, tais como o isolamento de lã de rocha, significa que a habitação de alta densidade é possível sem um maior risco de incêndio.

E satisfazer a necessidade de alimentos e água nas cidades em crescimento exige necessariamente mais terrenos e recursos. Com sistemas de cultivo que utilizam substratos de cultivo sustentáveis para calcular com precisão os níveis de água e nutrientes nas culturas, os fornecedores de alimentos às populações urbanas podem alcançar grandes rendimentos com pequenos espaços.

O Grupo ROCKWOOL está na vanguarda do desenvolvimento de materiais que ajudarão as cidades do futuro a crescer de forma sustentável.

https://esa.un.org/unpd/wup/Publications/Files/WUP2014-Highlights.pdf
2 https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_largest_cities
3 https://www.mckinsey.com/global-themes/urbanization/urban-world-the-global-consumers-to-watch
4 http://pubdocs.worldbank.org/en/862271433768092396/Holger-Kray-RO-SustainableAg-hkray-ENG.pdf 
5 http://www.gbpn.org/sites/default/files/IPCC_AR5__Implications_for_Buildings__Infographic__WEB_EN%20%281%29.pdf